Como cuidar de um gato idoso

Escrito por: Tudo Sobre Gatos

Assim como as pessoas estão vivendo mais tempo do que no passado, os gatos também. Na verdade, a percentagem de gatos com mais de seis anos de idade quase dobrou em pouco mais de uma década, e existem motivos para esperar que o “envelhecimento” dos gatos continue a crescer.
 
 

Qual é a verdadeira idade do gato

 
Os gatos são indivíduos e, assim como as pessoas, vivenciam o avanço dos anos de suas próprias maneiras. Muitos gatos começam a encontrar mudanças físicas relacionadas a idade entre sete e dez anos de idade, e a maioria quando completam 12 anos. O senso comum de que um “ano do gato” equivale a sete “anos humanos” não é exato. Na verdade, um gato de ano é fisiologicamente semelhante a um humano de 16 anos, e um gato de dois anos é como uma pessoa de 21. Para cada ano em diante, cada ano do gato equivale a cerca de quatro anos de um humano. Usando esta fórmula, um gato de dez anos tem a idade semelhante a uma pessoa de 53 anos, um gato de 12 anos a uma pessoa de 61 anos, e um gato de 15 anos a uma pessoa de 73 anos.
 
 

O envelhecimento não é uma doença

 
gato idosoO envelhecimento é um processo natural. Embora muitas alterações físicas complexas apareçam, a idade em si, não é uma doença. Mesmo assim muitas condições que afetam gatos mais velhos não são corrigíveis, mas podem ser controladas. A chave para fazer com que seu gato idoso tenha uma qualidade de vida mais saudável e melhor possível é reconhecer e reduzir os fatores que podem apresentar riscos à saúde, detectar doenças o mais rápido possível, corrigir ou atrasar a progressão delas e melhorar ou manter a saúde do sistema corporal.
 
 

O que acontece quando meu gato envelhece?

 
O processo de envelhecimento é acompanhado por muitas mudanças físicas e comportamentais.
 
• Em relação aos gatos mais jovens, o sistema imunológico dos mais velhos é menos capaz de repelir invasores. Doenças crônicas frequentemente associadas ao envelhecimento podem prejudicar ainda mais a função imune.
• A desidratação, uma consequência de muitas doenças comuns em gatos mais velhos, além da diminuição da circulação sanguínea e da imunidade.
• A pele de um gato mais velho é mais fina e menos elástica, tem menor circulação sanguínea, e está mais propensa a infecções.
• Gatos mais velhos se limpam com menos eficiência do que gatos mais jovens, o que às vezes resulta em pelos opacos, odor na pele e inflamação.
• As garras dos felinos mais velhos crescem frequentemente em excesso, são mais grossas e quebradiças.
• Nos humanos, as mudanças do envelhecimento no cérebro contribuem para uma perda de memória e alterações de personalidade comumente referida como senilidade. Sintomas semelhantes são observados em gatos idosos: perambular, miado excessivo, desorientação aparente e fuga da interação social.
• Por diversas razões, a perda auditiva é comum em gatos com idade avançada.
• O envelhecimento também é acompanhado de muitas mudanças nos olhos. Uma pequena nebulosidade da lente e um aspecto rendado da íris (a parte colorida do olho) são alterações comuns relacionadas ao envelhecimento, mas também não parecem diminuir muito a visão do gato. No entanto, várias doenças – especialmente aquelas associadas a pressão arterial elevada podem prejudicar gravemente e de forma irreversível a capacidade de ver do gato.
• Doença dentária é extremamente comum em gatos mais velhos e pode dificultar na hora de comer e provocar dor significativa.
• Embora muitas doenças diferentes possam causar a perda de apetite, em gatos idosos saudáveis, a redução do olfato pode ser parcialmente responsável por uma perda de interesse em comer. No entanto, o desconforto associado a doença dentária é a mais provável causa da relutância ao comer.
• Os rins dos felinos estão sujeitos a uma série de alterações relacionadas ao envelhecimento que, em última análise, podem levar à deficiência; insuficiência renal é uma doença comum em gatos mais velhos, e seus sintomas são extremamente variados.
• Doença articular degenerativa, ou artrite, é comum em gatos mais velhos. Embora a maioria dos gatos com artrite não se tornem muito chatos, eles podem ter dificuldade para usar a caixa higiênica e pratos de comida e água, especialmente se tiverem que subir ou pular escadas para chegar até eles.
• O hipertireoidismo (muitas vezes resultando em hiperatividade); hipertensão (pressão arterial elevada, normalmente resultado de uma insuficiência renal ou hipertireoidismo), diabetes, doença inflamatória intestinal e câncer são todos exemplos de condições que, embora às vezes são vistas em gatos mais jovens, se tornam prevalentes em gatos à medida que envelhecem.
 
 

O meu gato está doente ou é apenas a idade?

 
Donos de gatos mais velhos muitas vezes notam mudanças no comportamento do seu gato, mas leve em consideração estas mudanças como resultados inevitáveis e intratáveis do envelhecimento, e não deixe de comunicá-las ao seu veterinário. A falha em usar uma caixa higiênica, alterações dos níveis de atividade e as alterações para comer, beber ou hábitos do sono são alguns exemplos. Enquanto os veterinários acreditam que alguns problemas de comportamento são devido à diminuição das habilidades mentais do envelhecimento dos gatos, é um erro atribuir automaticamente todas essas alterações a velhice. Na verdade, a possibilidade de alguma condição médica subjacente deve sempre ser a primeira consideração. Doença de praticamente todos os órgãos e sistemas, ou qualquer condição que cause dor ou prejudique a mobilidade pode contribuir para mudanças de comportamento. Por exemplo:
 
• Um gato medroso pode não se tornar agressivo até que esteja com (p. ex., de doença dentária) ou menos ágil (por ex., artrite).
• O aumento da produção de urina que muitas vezes resulta em doenças comuns ao envelhecimento dos gatos (por exemplo, insuficiência renal, diabetes ou hipertireoidismo) pode fazer com que a caixa higiênica suje mais rapidamente do que o esperado. O solo e o odor podem fazer com que os gatos encontrem um banheiro mais ao seu gosto.
• Muitos gatos que não marcam seu território com urina, mesmo se expostos a gatos intrusos, podem começar a fazer isso se uma condição como o hipertireoidismo se desenvolve.
• Gatos com artrite dolorosa podem ter dificuldades de acessar a caixa higiênica, especialmente quando escadas são necessárias. Mesmo subir na caixa pode ser doloroso para esses gatos, urinar ou defecar em um local impróprio é o resultado natural.
• Gatos mais velhos podem ser mais sensíveis a alterações na casa já que sua capacidade de se adaptar a situações desconhecidas diminui com a idade.
 
A mensagem inicial? Nunca assuma que as mudanças que você vê no seu gato mais velho são simplesmente devido à idade avançada e, por conseguinte, intratável. Qualquer alteração no comportamento do seu gato ou condição física deve alertá-lo para entrar em contato com o seu veterinário.
 
 

Como posso ajudar a manter o meu gato idoso saudável?

 
Observação é uma das mais importantes ferramentas que você tem para ajudar a manter seu gato idoso saudável. Você pode realizar um pequeno exame físico semanalmente. Peça para seu veterinário mostrar como fazê-lo e o que procurar. Você achará mais fácil se fizer do exame uma extensão do jeito como interage normalmente com seu gato. Por exemplo, enquanto você está esfregando a cabeça do seu gato ou coçando seu queixo, levante gentilmente seus lábio superior com o polegar ou o dedo indicador para que possa examinar os dentes e as gengivas. Da mesma forma, você pode levantar a orelha e examinar os canais auditivos. Enquanto está alisando o pelo do seu gato, pode verificar caroços anormais ou inchaços, e avaliar a saúde da pele e do pelo.
 
 

Escovação diária

 
Escove-o diariamente ou penteie-o removendo os pelos soltos, impedindo-os de serem engolidos e formarem bolas de pelo. Escovar também estimula a circulação sanguínea e secreções da glândula sebácea, resultando em uma pele e pelo mais saudáveis. Gatos mais velhos podem não usar arranhadores com a frequência que faziam quando eram mais jovens; portanto, as unhas devem ser verificadas semanalmente e aparadas se necessário.
 
 

Nutrição adequada

 
Muitos gatos tem tendência a obesidade com a idade. Se o seu gato está com excesso de peso, você deve pedir ao seu veterinário que ajude a modificar a dieta para que a condição normal do corpo possa ser restaurada. Outros gatos tornam-se muito magros à medida que envelhecem, aparentemente como parte do processo normal de envelhecimento. Mas perda de peso progressiva também pode ser causada por graves problemas de saúde, tais como insuficiência renal, câncer, diabetes, doença inflamatória intestinal, doença do fígado, hipertireoidismo ou alguma outra condição. Mudanças sutis de peso são muitas vezes o primeiro sinal da doença; o ideal é que você pese seu gato todo mês em uma balança sensível o suficientemente para detectar essas pequenas alterações. Mantenha um registro do peso, e avise seu veterinário sobre qualquer alteração significativa. Para garantir uma nutrição correta, selecione uma alimentação equilibrada e completa para a fase da vida do seu gato, e uma que seja formulada de acordo com as orientações estabelecidas pela Associação Americana Oficial de Controle da Alimentação (AAFCO). As alterações alimentares específicas podem ser necessárias para gatos com certas condições médicas. Seu veterinário pode ser uma ajuda valiosa, ajudando-o a selecionar a dieta mais adequada para seu gato idoso.
 
 

Exercício

 
Exercício é importante, não só para controlo de peso, mas saúde geral. Gatos mais velhos frequentemente tornam-se menos ágeis, já que a artrite se desenvolve e os músculos começam a se atrofiarem. Brincar regularmente com moderação pode promover tônus muscular e elasticidade, aumentar a circulação sanguínea e ajudar a reduzir o peso em gatos que são muito gordos. Durante os períodos de exercício, fique atento a dificuldade de respirar ou cansaço rápido que podem sugerir que o gato tenha uma doença. Também pode ser necessário transferir as camas higiênicas para locais mais acessíveis a fim de evitar que gatos idosos evacuem em locais inadequados. Comprar uma caixa higiênica com laterais baixas, cortar os lados altos ou construir uma rampa ao redor da caixa pode ajudar os gatos mais velhos a entrarem mais facilmente.
 
 

Redução do stress

 
Reduzir o estresse ambiental sempre que possível é muito importante uma vez que gatos mais velhos são geralmente menos adaptáveis a mudanças. Disposições especiais devem ser feitas para gatos mais velhos e devem ser adotadas por um período. Ter um objeto familiar, como um cobertor ou brinquedo, pode evitar que o gato fique muito assustado em um ambiente estranho. A melhor alternativa é evitar levar os gatos mais velhos na casa do vizinho, amigo ou parente. Introduzir um novo animal pode ser uma experiência traumática para gatos mais velhos, e deve ser evitado sempre que possível. Mudar para um novo lar pode ser igualmente estressante. No entanto, o stress pode diminuir, dando ao gato idoso mais carinho e atenção durante os momentos de perturbação emocional.
 
Os gatos são peritos em esconder doença e gatos idosos não são exceção. É comum para um gato ter problema grave de saúde, ainda que não mostrem nenhum sinal de que o estado esteja bastante avançado. Como a maioria das doenças podem ser cuidadas com sucesso quando detectadas e tratadas precocemente, é importante para os donos de gatos idosos acompanharem atentamente seu comportamento e saúde.
 
Se você não consegue responder “sim” a todas as afirmações a seguir, por favor, entre em contato com seu veterinário o mais rápido possível.
 
Meu gato:
• está agindo normalmente; parece ativo e de bom humor
• não se cansa facilmente com exercícios moderados
• não tem crises convulsivas ou desmaios
• tem um apetite normal
• não teve mudança significativa no peso
• tem um nível normal de sede e bebe a mesma quantidade de água (cerca de uma grama por quilo de peso corporal por dia, ou menos)
• não vomita muitas vezes
• não regurgita alimentos indigestos
• não tem problema para comer ou engolir
• tem fezes normais (firme, sem sangue ou muco)
• defeca sem dificuldade
• urina em quantidades normais e com frequência normal; coloração da urina é normal
• urina sem dificuldade
• sempre usa uma caixa higiênica limpa
• não desenvolveu qualquer tendência comportamental ofensiva (como agressão ou pulverização de urina)
• tem gengivas rosas sem vermelhidão, inchaço ou sangramento
• não espirra e não tem muco nasal
• tem os olhos brilhantes, claros e livres de muco
• tem um pelo que cheio, brilhante e livre de manchas e com brilho; quedas excessivas não são evidentes
• não se coça, lambe ou mastiga excessivamente
• tem a pele não gordurosa e não possui odor
• está livre de pulgas, carrapatos, piolhos e ácaros
• não tem inchaços anormais constantes
• não tem úlceras que não cicatrizam
• não tem sangramento ou muco em qualquer lugar
• tem orelhas limpas e sem odores
• não balança a cabeça ou coça as orelhas
• ouve normalmente e reage, como de costume no seu meio ambiente
• caminha sem rigidez, dor ou dificuldade
• tem pés que parecem saudáveis, tem garras de comprimento normal
• respira normalmente, sem forçar ou tossir
 
 

Como o meu veterinário pode ajudar?

 
Assim como suas observações podem ajudar a detectar doenças em seus estágios iniciais, exames veterinários regulares também. Seu veterinário pode avaliar seu gato idoso saudável com mais frequência do que um gato jovem, por exemplo, a cada seis meses, em vez de uma vez por ano. Se o seu gato tem uma condição médica, avaliações mais frequentes podem ser necessárias. Durante o exame do seu gato, o veterinário realizará um histórico médico e comportamental completo, um exame físico minucioso, a fim de avaliar todos os órgãos e sistemas, verificará o peso do seu gato e sua condição corporal, e comparará às avaliações anteriores. Pelo menos uma vez por ano, alguns testes, incluindo exames de sangue, exames de fezes e urina devem ser pedidos. Desta forma, doenças podem ser detectadas e tratadas precocemente, e condições médicas em curso podem ser reduzidas. Ambos são necessários para manter seu gato idoso com saúde da melhor forma possível pelo maior tempo possível.