Persa

Escrito por: Tudo Sobre Gatos

Ter um persa requer um período significativo de comprometimento. Aquela linda pelagem requer cuidados diários para mantê-la em bom estado e brilhante. Por causa do longo casaco e temperamento dócil, os persas devem ser considerados apenas animais de interior. Muitos criadores mantem pelo menos parte do pelo cortado, especialmente a parte traseira e ao redor do ânus para evitar o acúmulo de fezes.
 
 

Energia
Gosto por brincadeiras
Necessidade de atenção
Afeto
Necessidade de vocalizar (miados)
Docilidade
Inteligência
Independência
Saúde e resistência
Necessidade de treinamento
Bom para crianças
Bom com outros animais de estimação

 
 

Origem e história da raça

 
gato persa racaPersas tem desfrutado de um longo reinado entre os aficionados e tem se destacado em shows desde 1871, ano da primeiro exposição moderna de gatos realizada no Crystal Palace de Londres. Nesta famosa feira, organizada pelo “pai dos aficionados por gatos”, Harrison Weir, muitos representantes da raça estiveram presentes, dando início a uma supremacia que continua até hoje.
Persas existem há mais 125 anos. Gatos de pelo comprido, incluindo os antepassados das modernas raças persa e angorá, foram vistos pela primeira vez na Europa, em meados dos anos 1500, introduzidos pelas caravanas Romanas e Fenícias da Pérsia (hoje Irã) e Turquia, de acordo com documentos da época. Os pesquisadores acreditam que o gene recessivo para pelos longos apareceu espontaneamente na população de gatos no frio das áreas montanhosas da Pérsia. Um viajante italiano chamado Pietro della Valle (1586? – 1652) é creditado por trazer gatos persas para o mundo europeu em 1600. Ambos os gatos angorás e persas são mencionados no manuscrito Viagens de Pietro della Valle. Ele descreveu os persas como cinza com pelos muito longos, sedosos e brilhantes. Ele observou que os gatos residiam na província de Khorazan na Pérsia, e que vieram da Índia com os portugueses.
 
Outros viajantes trouxeram os gatos persas e angorás para a França e depois Inglaterra, o que acabou lhe dando o nome de ‘gatos franceses’ por vários anos. Esses gatos rapidamente se tornaram popular na Grã-Bretanha. Durante este período de tempo e por séculos mais tarde, as variedades angorá turco e persa (entre outros) eram comumente cruzadas.
 
Em um primeiro momento, os angorás foram os preferidos por sua pele sedosa e pelos brancos. Finalmente, porém, os criadores britânicos vieram a favor dos persas. Na exposição gatos de Weir em 1871, diferenças distintas entre o persa e o angorá podiam ser vistas, sendo o primeiro com orelhas pequenas, arredondadas e o último com orelhas magras e compridas. No início dos anos 1900, o persa se tornou muito popular. Persas azuis eram especialmente premiados, provavelmente porque a Rainha Vitória possuía dois.
 
No início da década de 1900 o Conselho Britânicos de Criadores de Gato decidiu que os persas, assim como os angorá e os russos de pelos longos, devem ser conhecidos simplesmente como pelos longos, uma política que continua até hoje. Cada cor é considerada uma raça separada uma raça separada pelos criadores de gatos ingleses. Na América do Norte, entretanto, o persa é considerado uma raça, independentemente da cor.
 
Persas foram importados para a América no final dos anos 1800, onde foram entusiasticamente recebidos. O persa rapidamente tomou conta da competição e tomou seu lugar como o gato top. Usando padrões britânicos como um ponto de partida, os criadores norte-americanos iniciaram seus próprios programas de melhoramento para refinar a pele, cor e estrutura. Logo, o persa americano desenvolveu um estilo muito próprio e evoluiu para o tipo que vemos hoje em dia.
 
 

     

Aparência

 
Ao longo dos anos, as exposições foram em direção a um tipo facial mais achatado, mais extremo para o persa. Isso perturba alguns criadores, que sentem que isso pode ser prejudicial para a raça. Os problemas relatados incluem problemas respiratórios, olhos ‘chorosos’, comprometimento ortodôntico e dificuldades no nascimento. O persa peke de rosto vermelho, nomeado após o cão pequinês, tem um arranjo facial mais extremo. Para quem gosta de um arranjo facial menos extremo, a Associação de Gato Tradicional (TCA) reconhece e promove o tradicional persa, também chamada de persa “doll face” (cara de boneca). Este tipo possui uma aparência menos extrema e enfatiza a expressão doce.
 
Persas vêm em várias cores e padrões. As várias cores, junto com a raça propriamente dita, tem uma longa história de reprodução seletiva. Os criadores tem trabalhado arduamente para aperfeiçoar cada uma, e cada criador geralmente se especializa em algum favorito. Dentro das divisões existe uma variedade de cores e padrões, somando mais de 80 variedades. O tipo de corpo e rosto diferem ligeiramente de uma cor para a outra e, portanto, os juízes tem dado liberdade no julgamento. O equilíbrio do conjunto é mais importante do que os traços de personalidade.
 
 

Temperamento e personalidade

 
Se você quer que seu gato pule pela casa como pipoca hiperativa, não compre um persa. Persas são companheiros perfeitos, se você gosta de gatos com temperamento calmo e doce. No entanto, não espere usar seu amigo persa como peso de porta peludo. Eles gostam de brincar entre os períodos de descanso em seu sofá favorito. Os defensores dizem que os persas não merecem a sua reputação de “móveis com pelo”, eles são inteligentes, não apenas curiosos como algumas raças e não tão ativos.
 
Persas são dedicados aos seus seres humanos, mas podem ser seletivos para dar essa honra. Você deve ganhar sua confiança e amor. Eles almejam carinho e amor ao serem acariciados e alvoraçados, mas não perseguirão você por atenção como algumas raças fazem. No entanto, eles permitem que seus sentimentos sejam conhecidos se não estão recebendo a quantidade suficiente de atenção.
 

Você também vai gostar: