Angorá Turco

Escrito por: Tudo Sobre Gatos

Os criadores do angorá turco são apegados a seus gatos assim como seus gatos são a eles. Angorás parecem invocar respostas fortes em seus seres humanos com sua simetria, inteligência e devoção. Angorás se vinculam as suas famílias completamente; um angorá não é feliz a menos que esteja exatamente no meio de tudo que você está fazendo. Eles curtem uma boa conversa e pode manter-se ligados até o final da discussão. Angorás são bem-intencionados, mas determinados. Uma vez que o angorá coloca uma ideia na cabeça é difícil tirá-la.
 
 

Temperamento do gato Angorá

 
Angorás tem uma grande necessidade de brincar e se divertir com seu humano favorito. Eles podem ser traiçoeiros e danados. Angorás amam praticar seus saltos sobre pedaços de papel ou dedos do pé de humanos inocentes, qualquer um que esteja em seu caminho. Quando em movimento, que é a maior parte do tempo, angorás parecem andar com a graça de bailarinos. Altamente inteligente, angorás são solucionadores de problemas que gostam de estar no controle de tudo o que os rodeia, eles toleram serem segurados apenas por alguns minutos antes de saltarem para seu banho de sol e perseguirem bichos. Eles vão permanecer no quarto, porém, para que você possa ver suas loucuras com admiração.
 
Juntamente com seu primo turco van, o angorá é conhecido por suas proezas em piscina, e irá até mesmo mergulhar em uma nadada ocasional. Nem todo angorá turco gosta de água, mas muitos gostam, com variados graus de entusiasmo.
 

Energia
Gosto por brincadeiras
Necessidade de atenção
Afeto
Necessidade de vocalizar (miados)
Docilidade
Inteligência
Independência
Saúde e resistência
Necessidade de treinamento
Bom para crianças
Bom com outros animais de estimação

 
 

     

Origem e história da raça

 
angoraNinguém tem certeza de onde ou como o angorá turco originou. Muitas vezes a teoria é de que o angorá de pelo longo se desenvolveu a partir do gato pallas de pelo longo (Felis manul), um gato selvagem asiático do tamanho do doméstico, mas isso é duvidoso. O pallas tem diferenças fundamentais dos felinos domésticos e, ao contrário dos atuais angorás afetuosos, é praticamente indomável. É provável que o angorá turco se desenvolveu do gato selvagem da África, como todos os outros gatos domésticos. Possivelmente alguns cruzamentos ocorrido entre os dois.
 
A mutação recessiva para pelos longos em felinos provavelmente ocorreu espontaneamente há séculos e foi perpetuada através do cruzamento entre raças em espaço confinados, áreas montanhosas que limitariam o cruzamento com outros gatos, como a região do Lago Van na Turquia (o naturalista francês De Buffon, escritor de metade dos anos 1700, escreveu que os gatos com pelos longos vieram da Ásia Menor.)
 
No entanto, gatos de pelos longos foram observados na Turquia e arredores por séculos. Segundo a lenda, Maomé (570? 632 d.C.), fundador da fé islâmica, gostava tanto de gatos que uma vez cortou a manga da sua roupa ao invés de perturbar sua amada angorá Muezza, que estava dormindo em seus braços. Anteriormente denominado gatos “Ancara” (o nome da capital turca foi mudado de Angorá para Ancara em 1930), Ancara também é a casa de coelhos angorás de pelo longo e cabras adoradas pelo povo turco por seus pelos longos e finos.
 
Gatos de pelo longo foram importados para a Grã-Bretanha e França da Turquia, Pérsia, Rússia e Afeganistão, logo no final da década de 1500. O angorá encontrou definitivamente seu caminho para a Europa no começo dos 1600, e no final dos anos 1700, os angorás estavam sendo importadas para a América.
 
No começo, os angorás foram muito apreciados. Como a história conta, um proprietário de angorá recusou a oferta de US$5.000 pelo seu amado em uma exposição de gatos em 1890, Londres.
 
Aos poucos, porém, o persa se tornou o tipo de gato preferido pela Europa. O angorá foi usado extensivamente em programas de melhoramento da raça persa para acrescentar comprimento e sedosidade ao pelo. Mais tarde, o Conselho de Criadores de Gatos decidiu que todas as raças de pelo longo devem ser denominadas simplesmente de “pelos longos”. Também confusa foi a tendência dos criadores de gatos chamarem pelo longo de persa ou angorá, apesar da sua linhagem. Persas, angorás e russos de pelo longo foram criados juntos indiscriminadamente. Exceto na sua terra natal, os angorás deixaram de existir como uma raça pura. Eles pararam de aparecer em exposições e livros de registro. Em 1900, os angorás tinham praticamente desaparecido.
 
No início de 1900 o governo da Turquia, em conjunto com o zoológico de Ancara começou um minucioso programa de melhoramento para proteger e preservar os gatos angorás brancos puros com olhos âmbar, um programa que continua até hoje. O zoológico particularmente valorizou o angorá de olho ímpar (gatos com olhos de cores diferentes), porque acreditava-se que eles foram tocados por Alá. O angorá de Maomé, Muezza, fez a fama do gato de olho ímpar.
 
Porque o povo turco valorizou tanto os gatos, obter angorás do zoológico de Ancara era muito difícil, mas em 1962, Liesa F. Grant, esposa do coronel do exército Walter Grant que estava na Turquia, foi bem-sucedida em importar um casal de angorá turco do zoológico para a América, com certificados de ancestralidade. Estas importações reavivaram o interesse na raça e logo outros criadores começaram a desenvolver a raça. Os Grant foram primordiais para a realização do reconhecimento do angorá para a CFA.
 
Em 1970, a CFA foi o primeiro órgão americano de registro a aceitar o angorá turco. Em 1973 a CFA aceitou o angorá em campeonato, mas até 1978 apenas angorás brancos puros eram registrados. Hoje, todos os registros norte-americanos aceitam o angorá turco. Embora os números ainda sejam pequenos, o gene está crescendo, com o total de registro ganhando terreno cada ano.
 
 

Aparência do gato Angorá

 
gato angora cinzaEnquanto angorás turcos brancos puros tem sido o preferido por muitos anos, angorás de outras cores estão se tornando cada vez mais populares. Como em qualquer raça, o angorá branco puro de olho azul pode nascer parcialmente ou completamente surdo. Não se trata de um defeito da raça propriamente dita, mas sim um defeito no gene dominante W que produz pelos de cor branco e olhos azuis em felinos. Este gene foi associado a uma forma de surdez degenerativa hereditária que afeta o órgão de Corti na cóclea do ouvido. Angorás de olho ímpar geralmente serão surdos em apenas um dos ouvidos, ou do lado do olho azul. Enquanto angorás com deficiência auditiva devem ser mantidos fora de perigo, eles desfrutam da vida, tal como seus irmãos, e adaptam sua visão a sua perda auditiva muito bem.
 

Cores

 
Embora o branco seja mais comum, o gato Angorá pode ter várias cores, sempre de forma sólida, como o cinza e o preto.
 
gato angora cinza

Você também vai gostar: