Doenças e condições que contribuem para a obesidade

Escrito por: Tudo Sobre Gatos

Os seres humanos são a principal causa da obesidade em gatos. Os gatos podem se tornarem obesos por muitas razões. Se a obesidade é devido à superalimentação ou simples resultado de uma doença, o resultado final é o mesmo: o gato está ingerindo mais calorias do que está gastando. Independentemente da causa da obesidade, o proprietário é responsável por regular a ingestão calórica do gato e seu gasto, e pela busca de assistência veterinária para manter o gato no peso ideal. Os seres humanos são a principal causa da obesidade em gatos. Algumas das doenças e condições mais comuns que podem contribuir para a obesidade nos gatos são discutidas abaixo.
 

  1. Tipo de alimento, disponibilidade e palatabilidade: Alguns gatos só comem o que precisam e fazem isso bem se a sua comida está disponível livremente (sempre disponível). Outros irão comer o quanto está disponível e, em seguida, procurar mais. Muitos gatos são mimado e outros comem qualquer coisa. Assim, a quantidade e o tipo de alimento que é ingerido e as tendências alimentares do gato podem determinar qual a probabilidade do gato se tornar obeso.O tipo de alimento tem uma relação direta com a tendência do gato se tornar obeso. Sobras de comida, guloseimas, até mesmo prêmios para gatos com muita energia podem contribuir para a obesidade. Um gato por volta de 7 anos de idade, cujo principal exercício é a caminhada de e para a tigela de comida não precisa de comida de gato com muitas calorias, enquanto seu irmão, que é um gato de celeiro e vive fora tem necessidades de mais energia e uma comida mais com mais calorias pode estar em pauta (dependendo do número de ratos capturados!).
  2. Nível de atividade: O nível de atividade desempenha um papel importante na determinação das necessidades calóricas de um gato e, portanto, sua tendência a se tornar obeso. Um gato ativo irá utilizar mais calorias.Gatos castrados e esterilizado, em geral, precisam de menos calorias do que os gatos intactos.
  3. gato gordo obesidade

         
  4. Castração e esterilização: A castração e esterilização em gatos reduz sua taxa metabólica de modo que eles requerem menos calorias do que os gatos intactos. Além de mudanças no metabolismo, andrógenos e estrógenos (hormônios sexuais masculinos e femininos, respectivamente) estimulam o comportamento de passear e atividade física em geral. Estrógenos, além disso, tem o efeito de diminuir o apetite. Gatos castrados nunca tem as exigências de energia extra da gravidez ou de levantar uma ninhada.Gatos castrados e esterilizados exigem apenas 75-80% da comida dada aos gatos intactos. Como suas necessidades energéticas são menores, se alimentarmos gatos esterilizados e castrados com o que daríamos aos gatos intactos, eles, naturalmente, ganharão peso. Na verdade, a maioria dos gatos castrados e esterilizados são superalimentados e não fazem exercícios e são duas vezes mais propensos a se tornarem obesos do que os gatos intactos. Castração em si não causa obesidade, ela é a forma como nós nos importamos com os gatos depois que os predispõem a se tornarem obesos.
  5. Genética e predisposições da raça: Algumas raças são mais propensas a ficarem acima do peso? A resposta não é tão clara como é em cães. Sabemos que algumas raças de cães tem predisposição para a obesidade. Em gatos, foi verificado que as raças mistas podem ter mais de uma tendência para se tornarem obeso do que os puros, tais como o abissínio.Os fatores genéticos que influenciam o tipo e características da gordura produzida pelo organismo tem mostrados contribuir para a obesidade em ratos e camundongos. Tais fatores podem ocorrer em gatos.
  6. Idade: Os gatos tendem a se tornarem obesos quando estão entre 2 e 12 anos de idade, especialmente em torno dos 6 anos. Como os gatos se tornam ‘sênior’, a tendência de se tornarem obesos diminui. Os gatos jovens, também, em geral, são menos propensos a terem excesso de peso, uma vez que suas necessidades energéticas são elevadas e são geralmente mais ativos.
  7. Ambiente social: Muitas pessoas vão reconhecer que comem mais quando estão estressadas, e muitas vezes comem menos alimentos nutritivos. Para mim, grandes quantidades de chocolate vêm à mente. Alguns gatos podem ter respostas semelhantes ao estresse.Os gatos que vivem com vários outros gatos ou até mesmo com famílias com outros animais de estimação podem ter tendência a comerem mais e/ou mais rápido do que aqueles em casas com um gato. A mudança de comportamento quando os outros animais estão presentes é chamado de “facilitação social”. A competição por alimento, seja real ou percebida, faz com que alguns gatos se tornem muito mais focados em sua comida e pode levar à obesidade.
  8. Ambiente físico: Manter a temperatura do corpo é uma tarefa que consome energia. Quando um gato está em um ambiente com uma temperatura abaixo de zero, suas necessidades calóricas aumentam drasticamente. Por outro lado, um gato dentro de casa utiliza relativamente poucas calorias para manter a temperatura corporal normal.
  9. Medicamentos: Vários medicamentos podem influenciar o metabolismo e o apetite. Estes incluem os glicocorticoides como a prednisona e a dexametasona, os barbitúricos tais como fenobarbital, que são usados para controlar a epilepsia, e uma classe de fármacos designados benzodiazepinas, que inclui o valium.
  10. Hipotireoidismo: No hipotireoidismo, o corpo do gato produz menos hormônio da tireoide. Hormônios tireoidianos influenciam a taxa metabólica. Menos hormônio da tireoide significa menor taxa metabólica e as necessidades de energia mais baixas. Um gato normal irá se tornar obeso se ​​desenvolve hipotireoidismo e for alimentado com a mesma quantidade que foi alimentado quando ele era saudável. O hipotireoidismo é uma condição incomum em gatos, mas pode ocorrer.É muito difícil fazer com que um gato com hipotireoidismo perca peso, mesmo quando alimentados com uma dieta de redução de peso. Ao tratar o hipotireoidismo em conjunto com um programa de controle de peso, as chances de sucesso são muito maiores.
  11. Doença de Cushing (hiperadrenocorticismo): a doença de Cushing é uma doença na qual a glândula suprarrenal produz um nível muito elevado de glicocorticoides. Os glicocorticoides podem alterar o metabolismo e causar um aumento de apetite e aumento da deposição de gordura. Mais uma vez, além de se iniciar um programa de controlo de peso, a doença de Cushing deve ser administrada se o gato conseguir perder peso. A doença de Cushing é rara em gatos, mas pode ocorrer.
  12. Insulinoma: Um insulinoma é um tumor que ocorre no pâncreas. É um tumor que consiste em células que produzem insulina. Um gato com um insulinoma produz muita insulina. A insulina tende a aumentar a ingestão de alimentos e promover a geração de tecido, incluindo gordura. Insulinomas são raros em gatos.
  13. Glândula pituitária do cérebro e doenças: A glândula pituitária é muitas vezes chamada de “glândula mestra” porque produz hormônios em si e regula a produção de hormônios da maioria das outras glândulas. Se a glândula pituitária está funcionando de forma anormal, alterações nos níveis de vários hormônios podem alterar o metabolismo do gato, apetite e deposição de gordura.  O hipotálamo no cérebro regula o apetite. Anormalidades no hipotálamo poderiam explicar casos raros de aumento do apetite, resultando em obesidade.

 
Referências:
Burkholder, WJ; Thatcher, CD. Canine and feline obesity. Veterinary Forum. 1995;February:54-58.
Hills Pet Nutrition, Inc. Nutrition and the Management of Weight Control. In Healthcare Connection: Clinical Module Level II: 117-154. Markwell, PJ.
Canine Calorie Control. In: Applied Clinical Nutrition of the Dog and Cat. Waltham USA:103-122. Wolfsheimer, KJ.
Obesity. In Ettinger, SJ; Feldman EC (eds): Textbook of Veterinary Internal Medicine. W.B. Saunders Co. Philadelphia, PA; 2000;70-72.